Proibido Actualizar

Já devo ter referido umas 37,4 vezes que todos os sons que faço têm conteúdos bastante pessoais, normalmente contendo alguns versos dispersos em que falo directamente de mim. "Actualizações" é um desses sons...mas elevado ao quadrado.
Foi o primeiro som (2007) que decidi que não seria de amor, de avacalho, de rua ou whareva...seria simplesmente sobre mim.
Foi o culminar de um período bastante "agitado", depois de ter acordado no hospital, de  relações que não deram certo (ver Sentido no Proibido), de pseudo-relações que nunca cheguei a perceber bem (bitches be crazy, right)...
Este também foi o primeiro vídeo que gravei, com intenção de servir de clip para uma música (em oposição às pequenas montagens dos vídeos anteriores), como penso que dá para perceber pela qualidade geral.
Este tema faz parte da mixtape "Banda Sonora", que está incluída na compilação "Resumo", disponível para download gratuito na pagina da "Música".
Será desnecessário dizer que muita da atitude deste vídeo já está desactualizada, tendo já feito um novo som ("Actualmente") e vídeo, lançados em inícios de 2011, com a mixtape SekWella (pagina da "Música"). 
More on that later..


Letra:

Eu torno palavras escravas em estradas de papel
Ponho-vos em horas extraordinárias para decifrar o que me vai na pele
Recarregado com duracell desde a ultima quebra que tive
À pala da tchebra que me pôs na merda mas naquela, ainda tibo
De volta ao activo, já perdi muito tempo
Com apetite pro beat, shit que bata cá dentro
Quick, passa-me alimento enquanto acendo e faço fumo
Tropas preparam mais brocas, quase sufocas com o consumo
Não focas o assunto, assume que andas à nora
Mais uma shit do costume, formato Banda Sonora
Desde a sogra que não conheço à bitch que não aparece
Eu não faço merda acontecer, boy, ela acontece
24 sobre 7 carrego na atitude
Rezo uma prece e peço um bless para que isso nunca mude
Sou bruto e rude, same shit, different day
E até que este mundo mude, este mood é lei
E sei pensas que sabes, mas não fazes ideia
Então poupa-te embaraços e sai sem dar bandeira
Vez o reflexo da minha life enquanto a extraio da veia
Sejas quem fores somos iguais, que a tua merda também cheira

You only see what your eyes want to see
(só vez o que queres ver)
How can life be what you want it to be
(Como podes ter a vida que queres?)

Dá-me o mundo numa bandeja, com cerveja e tremoços
A tua sorte é não ser cão, ou nem sobravam os ossos
Actualiza-te, idealiza-te, manca-te, não tens hipóteses
Isto é hipnose, ainda com a mesma pose gozo de muito fumo e pouca tosse
Posso dizer que mudo, mas no fundo fico igual
Mudanças à volta, decifra a revolta no instrumental
E na volta, já tive pior do que agora
Já o meu avô me dizia, até no paraíso havia a cobra
E ainda ninguém me cobra, não devo nada a ninguém
Não desejo school ou emprego, também
Ainda aprecio um bom rego, mas sem
Esquecer os maboucos, e pussy adoro
Dizem que tenho cara de mulherengo, mas isso ignoro
Que tenho fala de engatatão, mas só as que abordo
Decidi que já não acordo, so quero viver o dream
Ainda cago pro que vocês dizem, não entro no vosso scheme

Mensagens populares deste blogue

RESET - Toda a Verdade

Molha-te

Sir Scratch - Eternamente (st-bandasonora remix)